RELEASES

Enólogo, o alquimista das uvas

Enólogo, o alquimista das uvas

Se você aprecia um bom vinho, com certeza saberá reconhecer que por trás dessa bebida cercada por lendas, existe a marca e a dedicação de um enólogo. Esse profissional, com atividade regulamentada no Brasil desde 2007, é responsável por todas as decisões de produção que envolve a fabricação do vinho nas grande vinícolas.

É ele quem gerencia e administra a análise do solo e seus métodos de irrigação, escolhe as variedades da uva, determina o plantio, a poda e a colheita. Além disso, feita a colheita, é ele quem define a mistura das uvas, o tempo de amadurecimento e a hora de colocar o vinho no mercado. Portanto, é esse alquimista das uvas que dá o tom final ao vinho, seja na criação de blends equilibrados e cheios de personalidade, seja na definição de ricos varietais.

O enólogo é um profissional que conhece todos os procedimentos relacionados ao processo de produção da bebida com um determinado padrão. O seu trabalho de elaboração de vinhos está intimamente ligado à ciência e à tecnologia, além da dedicação e paixão.

Um exemplo de como o enólogo é uma peça imprescindível na enorme engrenagem da produção de vinhos, é o gaúcho André Donatti, enólogo responsável pela Vinícola Campestre.

Donatti se formou em enologia em 1999, inspirado pelo pai que também era enólogo e apaixonado pelo vinho. Foi aí então, que, segundo ele, "aflorou esta paixão indescritível". Após anos de estudo e dedicação, chegou na Vinícola Campestre onde está há 12 anos e ajudou a transformar a empresa na vinícola que mais vende vinhos de mesa no Brasil. 

Quer saber um pouco mais sobre essa profissão? Então, confira a seguir uma entrevista com o enólogo da Vinícola Campestre, André Donatti:

 

É comum as pessoas confundirem o trabalho do enólogo com outros nomes e profissões diretamente ligadas à produção ou degustação de vinhos. Como você resumiria o seu trabalho?

A profissão de enólogo é bastante completa e abrangente. Diferente de um sommelier, que também é um profissional, porém especialista em harmonizações, o enólogo coordenar todo o processo de vinificação — desde o cultivo das uvas, passando pelo processo de engarrafamento até a comercialização do produto.

Um enólogo tem muitas responsabilidades e deve tomar diversas decisões. Qual a decisão mais importante a ser tomada durante o processo de elaboração de um vinho?

Na verdade, quando a paixão está envolvida e temos amor pelo que fazemos, as tarefas ficam menos complexas. Mas, para qualquer enólogo sempre será uma decisão importante quando a matéria-prima, no nosso caso, a uva, não está em boas condições devido a fatores climáticos o que nos dificulta atingir os resultados desejados. No entanto, é esse rígido processo de seleção que nos permite elaborar um vinho de qualidade.

Quais variedades de uvas a Vinícola Campestre está investindo para a elaboração de vinhos finos de alto padrão?

A variedade que mais plantamos foi merlot, pinot noir, e as uvas italianas rebo e sangiovese e as brancas chardonnay e sauvignon blanc. Mas estamos testando também syrah, malbec e tannat. Temos que aproveitar o potencial climático e geográfico dessa região, como estamos a quase mil metros de altitude e contamos com invernos rigorosos e verões quentes, esse é um clima ideal pra produzir bons vinhos, principalmente com uvas sauvignon blanc, merlot e pinot noir.

Por que a Vinícola Campestre investiu na produção própria de uvas?

Nossa produção própria de uvas fica em Vacaria e ocupa uma área de 25 hectares. O objetivo e priorizar mais a qualidade que o tamanho da produtividade. Além disso, vamos ter o melhor ponto de colheita e qualidade para fazer um vinho diferenciado.

Qual o seu atual desafio como enólogo a frente da Vinícola Campestre?

A Vinícola Campestre, com sua unidade em Campestre da Serra, já é conceituada e reconhecida em todo Brasil quando falamos em qualidade de vinho de mesa e suco. Porém, agora o nosso grande desafio é expandir a linha de vinhos finos para um novo terroir, a partir da inauguração da unidade em Vacaria.

Quais seriam as tendências para o futuro do vinho no Brasil?

No meu ponto de vista, o Brasil tem muito ainda para crescer e evoluir, sobre vinhos, espumantes, principalmente quando falamos no consumo, pois podemos afirmar que nossos produtos brasileiros equivalem e superam a expectativa do vinho no mundo, com muitos prêmios internacionais e já sendo conceituado no exterior. O que precisamos é que os apreciadores conheçam melhor os produtos nacionais, assim teremos um futuro de crescimento no vinho brasileiro, com novos conceitos, com novos terroir, evidenciando nossa diversidade.

 

Últimos Releases

Preencha seus dados

Preencha corretamente que entraremos em contato o mais breve possível.